10 Comentários

  1. José Euclides Ferreira da Silva

    Estamos vivendo novas situações todos os dias, antes o que era imaginável agora é normal. Será uma grande oportunidade de negócios? O que fazer se uma turba desorganizada, mesmo sem intenção, durante a movimentação trombar, derrubar e machucar várias pessoas? Qual seria a nossa reação se um idoso ou uma criança for seriamente machucado com lesões, quebra de ossos e até dentes por uma suposta ação inocente? Estamos começando a ficar insensíveis ao direito do indivíduo a sociedade brasileira se torna absurdamente permissiva e esquece valores fundamentais. Lembro quando jovem que os adultos chamavam a polícia para combater usuários de maconha na região da zona norte do Rio de Janeiro (Penha, Ramos, Bonsucesso, etc.) e a resposta era sempre a mesma, temos muita coisa para fazer, são apenas maconheiros. Com o tempo os maconheiros se tornaram traficantes e com o tempo os bairros se tornaram o Complexo do Alemão. Sem regras de boa conduta a nossa sociedade vai acabar!

    Responder
    1. Adriana Schiavon Goncalves

      José Euclides,

      Excelente comentário, obrigada por participar! Realmente, quando temos uma multidão reunida, há muito espaço para baderna, vandalismo e consequente violência. Não somos de forma alguma a favor disso! Também desejamos boa conduta e uma sociedade próspera. Mas a ideia deste post é mostrar o poder da internet, dos jovens e das mídias sociais, e tentar aprender algo positivo.

      Responder
  2. JOSÉ ILSON PEIXOTO

    Parabéns Adriana, pela oportuna colocação. Percebi e percebo mais ainda agora, após ler o seu post, o grande significado e os muitos recados dados pelos denominados “Rolezinhos” a todos, ricos pobres, cultos ou não. Viu só: uns (quase) inocentes rolezinhos assustaram muitos, entusiasmaram outros, fizeram pensar outros tantos. Tudo o tal movimento enfrenta a exclusão, faz observar a Constituição Federal no que se refere ao direito de ir e vir e ao direito de livre manifestação. Acredito que os que de verdade se assustaram são fracos e inseguros. Quanto aos excessos: para isso existe a Polícia Ostensiva e a Polícia Judiciária.

    Responder
    1. Adriana Schiavon Goncalves

      Olá José! Obrigada por participar e por expor o seu ponto de vista! Um excelente fim de semana para você!

      Responder
  3. JOSÉ ILSON PEIXOTO

    “Rolezinhos x Empreendedorismo: Os rolezinhos são um exemplo de como uma idéia, aparentemente inocente, posta em prática pode dar o que falar, dentre outras coisas, principalmente agora, com o mundo globalizado, e as redes sociais abalando até os mais sólidos impérios de comunicação do planeta, dada a imediatividade das notícias que circulam nessas redes, capazes de mobilizar multidões em pouco tempo, enquanto a maioria dos noticiários das grandes redes de televisão apresentam, sempre, notícias velhas. Acredito firmemente no poder das mídias sociais como forma de comunicação mais real e livre. Já estou pensando numa forma de “turbinar” o tipo de negócio com que trabalho por meios dessas redes. Tentar não custa nada.

    Responder
    1. Adriana Schiavon Goncalves

      Oi José! Concordo com você! O uso das mídias sociais, assim como a internet democratiza o acesso a informação e dá voz para todos ou para quase todos. E o melhor de tudo é que não custa nada! Vale a criatividade de cada um! 😉

      Responder
  4. Janaina Silva

    Excelente observação sobre o rolezinho, é uma perspectiva a ser considerada. Porém, não podemos esquecer quantos problemas esse “rolezinho” vem causando, todos possuem o total direito de ir e vir em qualquer lugar, mas e quando falamos de um lugar privado como é caso dos shoppings?
    O que se pode ter como lição é como as redes sociais conseguem atingir um grande público e causar transformações, cabe as empresas transfomar o famoso “rolezinho” em oportunidades!

    Responder
    1. Adriana Schiavon Goncalves

      Olá Janaina, obrigada por comentar! É justamente esta lição que este post pretende trazer, como você mesma disse, o poder das mídias sociais para causar transformações, e se for possível, aproveitar as oportunidades!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *