12 Comentários

  1. Jeyse

    O que você quer dizer com exigíveis nos próximos 360 dias e também o exigível de longo prazo -> valores a pagar acima 360 dias. Poderia dá uma explicação mais simples.

    Agradeço a atenção

    Responder
    1. Edmilson Koji Tanaka

      Olá Jeyse!

      A expressão é técnica né? Às vezes alguns termos técnicos escapam e vêm para estes materiais… então, explicando:

      * Exigíveis nos próximos 360 dias: trata do somatório dos valores a pagar ao longo dos próximos 360 dias;
      * Exigível de longo prazo: trata do somatório dos valores a pagar, com vencimentos à partir dos 360 dias até o final de todos os compromissos.

      Separamos em ATÉ 360 DIAS e MAIS DE 360 DIAS para analisarmos o que representam os valores no curto (até 360) e no longo (à partir de 360) prazo.

      Esclarecido?

      Responder
  2. sara

    ola quero abrir uma loja de roupas e tenho duvidas pois as roupas são caras e vou ter que pagar aluguel e as roupas que eu comprar e tbm sustentar minha casa como faço para saber quanto serà meu lucro e por quanto devo vender para conseguir pagar tudo ?

    Responder
    1. Edmilson Koji Tanaka

      Olá Sara!

      Muitos cálculos serão necessários de serem realizados no seu caso em que pretende iniciar um novo negócio.

      Eis algumas das importantes variáveis você deverá definir para obter resposta aos seus questionamentos:
      1. qual será a margem média de suas vendas? (isso dependerá de que margem você poderá aplicar nas suas vendas, com base em seus produtos, seus concorrentes e seus clientes)
      2. quanto será o seu custo fixo?
      3. qual será o seu regime de enquadramento tributário?
      *** Com estas informações você poderá determinar o seu ponto de equilíbrio, ou seja, quanto deve ser vendido!

      4. quanto será necessário investir para iniciar o negócio?
      5. quanto dinheiro você necessita disponibilizar para o início da atividade?
      *** Com estas informações você poderá planejar a sua necessidade de recursos financeiros iniciais.

      Tratam-se de cálculos técnicos que requerem atenção de especialista no assunto, para tanto, recomendo que você contrate uma consultoria especializada ou busque apoio em uma das unidades do Sebrae realizando um plano de negócios.

      Agradeço sua participação.

      Responder
    1. Edmilson Koji Tanaka

      Olá Kelly!

      Eu é que agradeço pela sua participação com a leitura e o comentário.
      Desejo-lhe sucesso!

      Responder
  3. Elias Gomes

    Qual é o grau de endividamento de uma empresa cujo balanço do exercício anterior não houve movimentação e o capital inicial é de R$ 120.000,00 ?

    Responder
    1. Edmilson Koji Tanaka

      Olá Elias Gomes!

      Via de regra, mesmo não ocorrendo movimentações no exercício, poderão existir valores que contemplem as contas do ativo e do passivo oriundos de exercícios anteriores, valores que determinam igualmente o nível de endividamento.
      Agradeço sua participação.

      Responder
  4. Marcelo

    Favor rever a fórmula, pois com exposto ((Passivo/Ativo) * 100), o resultado sempre será 100, independentemente da empresa, já que o Ativo sempre será igual ao Passivo. A fórmula correta não seria : (“Passivo Circulante + Passivo Não circulante / Patrimônio Líquido) ?

    Responder
    1. Edmilson Koji Tanaka

      Olá Marcelo!

      Na fórmula apresentada, entre parenteses, demonstramos que tratam-se das contas do circulante, até com demonstração de quais contas mais comuns se referem.
      O propósito deste cálculo é medir se uma empresa é muito ou pouco endividada, ou seja, se usa muito ou pouco capital de terceiros onerosos.
      Sua proposição de fórmula atrela ao patrimônio líquido, o que não é nossa questão em foco.
      Agradeço sua observação.

      Responder
  5. MARIA

    OLA BOM DIA.
    TENHO UMA EMPRESA DE ESTOFADOS A 3 ANOS E NUNCA CONSEGUIR UM CAPITAL DE GIRO,POR ISSO ANTECIPO TODOS MEUS RECEBÍVEIS COMO COLOCA ISSO NO CUSTO DO PRODUTO OU NOPRECO DA VENDA

    Responder
    1. Edmilson Koji Tanaka

      Olá Maria!

      Você pode embutir esse custo de antecipação no seu preço de venda, resta é saber se seu preço ainda permanecerá competitivo, ok?
      Para fazê-lo, basta incluir a alíquota real desse custo de antecipação no cálculo do preço de venda. Considere no entanto, o custo real, para tanto faça os cálculos para saber quanto ele representa.
      Já para embutir esse índice no preço final, que seria uma opção, caso seus preços sejam de acordo com os praticados pelo mercado, faça o seguinte: se o custo financeiro for de 6,5%, por exemplo, subtraia esses 6% de 100%, você terá 93,5%, esse deverá o seu índice divisor. Pegue o valor de venda e divida por 0,935 (que é os 93,5% transformados), num valor simulado de R$ 100,00 você terá então o resultado de R$ 106,95. Esse valor é o que você deverá praticar, para provisionar R$ 6,95 para cobrir os custos de antecipação.
      Espero ter clarificado sobre o cálculo.
      Agradeço sua participação.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *