2 Comentários

  1. Olávio Schoenau

    Como se sabe, o universo de empresas de pequeno porte é composto de microempresas – nas quais o proprietário é a figura central e geralmente única – e pequenas empresas – nas quais o proprietário exerce mais a função de gerente. Meu comentário foca as microempresas nas quais o proprietário precisa aprender a fazer literalmente tudo.
    Como essas empresas representam a grande maioria dentro desse universo, o desempenho da empresa, suas estratégias, seu presente e seu futuro dependem de um só dirigente.
    Há que se considerar – e poucos o fazem – que esse dirigente tem personalidade, caráter, postura, formação escolar, educação familiar, vivência empresarial e demais quesitos pertinentes a um empresário, totalmente diferentes. Raros são os casos de semelhança e, quando existe, será em um ou outro quesito. A capacidade para constatar essa diferenciação é absolutamente fundamental ao Sebrae, órgão ao qual compete levar aos empresários os conhecimentos necessários para conhecer, entender e utilizar a inovação, como ferramenta indispensável de sobrevivência e sucesso.
    O profissional que for encarregado dessa transferência de conhecimentos – selecionando os conhecimentos que estão na prateleira de produtos e inserindo-os no cabedal de conhecimentos do empresário – precisa ter, além dos conhecimentos sobre inovação, competência para realizar essa transferência. A complexidade do problema reside justamente aí – a dificuldade em visualizar a diferenciação na formação do perfil do empresário – fato que exige uma qualidade raramente exigida dos profissionais da consultoria: a aplicação diferenciada da componente psicológica na abordagem do empresário. Logo, o prazo necessário para se tornar uma microempresa inovadora tem dependência direta do perfil do empresário a ser abordado; se ele tiver alguma bagagem empresarial, algum conhecimento gerencial, alguma cultura econômica, algum capital, capacidade de relacionamento, humildade para aprender, habilidade para comandar, determinação e persistência inquebrantáveis, ele poderá vir a ter sucesso porque saberá utilizar melhor a ferramenta inovação. Caso contrário, não será um empreendedor; será indiferente para ele trabalhar numa empresa ou ter a sua própria que, no máximo, sobreviverá.

    Responder
    1. Agnaldo Gerson Castanharo

      Mestre Olavio, muito obrigado por seu comentário. Sem dúvida as características comportamentais mencionadas por você complementam o perfil traçado neste post.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *