22 Comentários



    1. Ola Matheus. As tecnologias estão por ai. Podem ser usadas para o bem e para o mal. O jogo Pokémon veio para mudar as concepções de jogo com a realidade aumentada. Existem muitos beneficios, como em excesso podem ser prejudiciais. Aproveitem as coisas boas.

      Responder
  1. Natália

    Então, achei muito bacana todas essas ações. Mas fico com uma dúvida, e os direitos autorais do jogo? Podemos utilizar logo, imagens do pokémons e tudo mais? Fico com muito receio disso.

    Responder

    1. Ola Natália.Segundo o advogado Thalles Takada “a marca registrada no caso Pokémon foi colocada em circulação, sob o consentimento do proprietário, não podendo impedir que comerciantes utilizem seus sinais próprios, utilizando a figura do Pokémon, para aumentar as vendas de seus produtos próprios, desde que não implique em concorrência à marca.

      Da mesma forma que não estaria o comerciante violando o direito de propriedade quando utiliza de logomarcas de fábricas de bebidas em fachadas ou freezers de bares; ou quando uma fabricante de material esportivo utiliza do símbolo olímpico em sua campanha de marketing; ou quando grifes conhecidas criam linhas de produtos utilizando sinais de marcas semelhantes de outro ramo de atividade, sem implicar em concorrência a elas.

      Evidentemente que os comerciantes não podem vender a marca Pokémon, reproduzi-las em seus produtos com o intuito de aumentar suas vendas, sem a autorização do proprietário. Bem como não poderia o comerciante utilizar a marca Pokémon para criar confusão no intuito de beneficiar um produto semelhante ao jogo.

      A boa fé, requisito básico de todo negócio jurídico, deve sempre imperar. É lícito a utilização como forma de propaganda atrair clientes informando sobre a existência Pokémons em seu estabelecimento, desde que respeitado a ética e a lealdade concorrencial, pois percebe-se que a lei 9279/96 não vetou a utilização da marca, desde que sem conotação comercial e sem prejuízo para seu caráter distintivo.

      Entende-se assim que a simples menção ou indicação da marca em um estabelecimento não estaria caracterizando natureza comercial e muito menos prejuízo ao proprietário da marca.

      Adentrando ainda em um tema mais novo, o ciberespaço, a realidade aumentada possibilitou que essas novas figuras sejam ofertadas a todos, indiscriminadamente. O virtual confunde-se com o espaço físico, e as pessoas passam a ser guiados pela ficção em um mundo real.”

      Responder


    1. Ola, segundo o advogado Thalles Takada “a marca registrada no caso Pokémon foi colocada em circulação, sob o consentimento do proprietário, não podendo impedir que comerciantes utilizem seus sinais próprios, utilizando a figura do Pokémon, para aumentar as vendas de seus produtos próprios, desde que não implique em concorrência à marca.

      Da mesma forma que não estaria o comerciante violando o direito de propriedade quando utiliza de logomarcas de fábricas de bebidas em fachadas ou freezers de bares; ou quando uma fabricante de material esportivo utiliza do símbolo olímpico em sua campanha de marketing; ou quando grifes conhecidas criam linhas de produtos utilizando sinais de marcas semelhantes de outro ramo de atividade, sem implicar em concorrência a elas.

      Evidentemente que os comerciantes não podem vender a marca Pokémon, reproduzi-las em seus produtos com o intuito de aumentar suas vendas, sem a autorização do proprietário. Bem como não poderia o comerciante utilizar a marca Pokémon para criar confusão no intuito de beneficiar um produto semelhante ao jogo.

      A boa fé, requisito básico de todo negócio jurídico, deve sempre imperar. É lícito a utilização como forma de propaganda atrair clientes informando sobre a existência Pokémons em seu estabelecimento, desde que respeitado a ética e a lealdade concorrencial, pois percebe-se que a lei 9279/96 não vetou a utilização da marca, desde que sem conotação comercial e sem prejuízo para seu caráter distintivo.

      Entende-se assim que a simples menção ou indicação da marca em um estabelecimento não estaria caracterizando natureza comercial e muito menos prejuízo ao proprietário da marca.

      Adentrando ainda em um tema mais novo, o ciberespaço, a realidade aumentada possibilitou que essas novas figuras sejam ofertadas a todos, indiscriminadamente. O virtual confunde-se com o espaço físico, e as pessoas passam a ser guiados pela ficção em um mundo real.”

      Responder

    2. Ola você pode usar no seu salão algum beneficio para que seus clientes permaneçam no salão por mais tempo como por exemplo: internet para se jogar Pokémon.

      Responder

  2. Gostaria de saber onde e como e qual aplicativo ou rede social para poder ter mais informações sobre o pokemon…como colocar em meu estabelecimento pokemon, para atrair clientes. Aguardo um retorno, obrigada!

    Responder
  3. Thiana

    Gostaria de saber como colocar meu ponto comercial no jogo. Vejo varias lojas na minha cidade que estão no jogo. Como fazer isso?

    Responder
  4. Allen

    Como e que faço pra colocar dentro do meu estabelecimento os Pokemon ?
    alguem pode me ajudar

    Responder



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *